Como surgiu Café com Leite Crente?

Café com Leite Crente surgiu dos sonhos de Adriana Chalela (A Razão da Esperança), Regina Farias (Bora Ler) e João Carlos (Pastor João e a Igreja Invisível). Três amigos virtuais e irmãos em Cristo, separados por milhares de quilômetros mas que compartilham da mesma visão do Reino de Deus, Reino este que começa aqui na Terra e continuará por toda a Eternidade. Devido às nossas afinidades, decidimos unir nossos esforços para mostrar que é possível sermos 100% cristãos, mas com os pés 100% no chão, vivendo uma espiritualidade madura e responsável sem perder o amor pela vida que fomos graciosamente presenteados por nosso amoroso Pai.

Só que a família cresceu! Pelo Caminho conhecemos mais três irmãos maravilhosos, com a mesma visão do Reino: René Burkhardt (Nem de Paulo nem de Apolo: de Cristo!), Cláudio Nunes Horácio (Susto de Amor) e o "atrasildo" do Wendel Bernardes (Cinema Com Graça), que agora fazem parte desta gangue...


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Deus não é justo


Todo ser humano, em uma ou outra ocasião, faz as seguintes perguntas de sessenta milhões de dólares:

“Se Deus é um Deus de amor, por que há tanto sofrimento no mundo?”

“Por que os perversos parecem prosperar?”

“Por que coisas horríveis acontecem com pessoas excelentes?”

“Por que a vida tem de ser tão dura?”

“Não existe um meio mais fácil de crescer?”

“O sofrimento tem algum significado?"


Não existem respostas prontas para estas perguntas universais. De fato, volumes tem sido escritos num esforço para responder a cada pergunta especificamente. Muitos desses livros ajudam, proporcionando algum consolo aos que se acham em meio a difíceis provações.

Não tentarei oferecer soluções genéricas a problemas que deixaram os pensadores perplexos durante séculos. Em seu livreto “Why Does God Allow Suffering?” (Por Que Deus Permite o Sofrimento?” – St. Louis: Lutheran Laymen’s League, 1965, pg. 5), Paul Malte explica:

“A própria Bíblia jamais ofereceu respostas muito fáceis para o sofrimento ou aos sofredores. Mesmo Jó, o livro clássico sobre o sofrimento, o mal nunca chega a ser justificado. Jó porém, aprende a viver com o sofrimento – e com o Deus Criador. No mais fundo da alma – e não em sua mente – Jó descobre a paz que transcende todo entendimento humano. Jesus – que afirma ser o representante de Deus entre os homens – jamais desata o problema intelectual da bondade de Deus e do seu poder. Ele simplesmente age para demonstrar a bondade do Pai e seu poder canalizado pessoalmente para os homens.

Jesus não cura todos os leprosos da Palestina, expulsa todos os espíritos imundos, conserta todos os casamentos. Onde e quando pode, Ele cura e ajuda. Ele dá às pessoas a atitude interior, a coragem e a alegria para tratar com o sofrimento. Ele nada faz para adiar sua própria morte e se torna vítima da hostilidade humana. Ele sofre tanto a angústia da morte física como o inferno da alienação de Deus. Ao sofrer conosco Ele sofre por nós. Ele sofre para que nosso sofrimento possa ser transformado em triunfo.

Os cristãos não tem respostas preparadas de antemão para o sofrimento, não existem dez princípios fáceis para os felizes sofredores. Eles só têm atitudes para enfrentá-lo, meios de vencê-los, perspectivas para transcendê-lo.”

Trecho do livro “Deus Não é Justo” – Joel A. Freeman – Editora e Distribuidora Candeia – 1º edição (1991) – pgs. 19/20

13 comentários:

  1. É como diz um pastor amigo meu:

    Alegria é no céu, aqui é batalha!

    bj

    R.

    ResponderExcluir
  2. Segundo minhas experiências atuais, o período mais duro e infernal da minha vida, foi justamente a época de maior regozijo espiritual. TUDO estava tenebroso a minha volta: divórcio, separação das filhas, desemprego, fome, desabrigo, dúvidas, fantasmas interiores, pânico, dores horríveis, miséria de fato e de verdade, sozinho, completamente desamparado e ainda assim minha fé e comunhão com Deus JAMAIS esteve num nível tão alto. Isso aconteceu uns meses antes de eu vir para o Caminho da Graça e abandonar a religião presbiteriana. Hoje enxergo o gozo e o êxtase NA desgraça, NO limbo e em todas as situações de morte e dor, mais que em qualquer outro estado do ser. Graça e paz.

    ResponderExcluir
  3. João, para mim essa é a pergunta mais inútil que existe porque ela não tem resposta.

    “Se Deus é um Deus de amor, por que há tanto sofrimento no mundo?”

    e no meu humilde entendimento, o problema está exatamente na pergunta. A Bíblia não responde a essa pergunta porque ela também não tem a resposta. Eu não entro em crise com a pergunta porque para mim Deus não tem nenhuma responsabilidade pelo mal no mundo, o único culpado somos nós mesmos. Não consigo aceitar a resposta fácil de que Deus "permtiu" o mal mas não é seu autor. Ora, mas como o "Deus cristão" pode permitir sem no final das contas ser o autor? É claro que isso me leva a uma visão não ortodoxa de Deus mas nessa questão eu prefiro ser heterodoxo do que ser paradoxal.

    abraços

    ResponderExcluir
  4. Eduardo,

    Pessoalmente creio que não é pelo fato de uma pergunta "não ter resposta" que a faz inútil.

    Esta é uma pergunta que ecoa desde sempre, sendo o problema para encontrar a resposta nossa limitação como ser humano egoísta e voltado para o próprio umbigo. Falo como ser humano, parte integrante dos "perguntadores", sem querer fazer juizo sobre ninguém.

    Quanto ao ponto que você não aceita, a tal "resposta fácil" de que Deus permite o mal sem porém ser seu autor... "Não entendo o que você não entende"!

    Releia o livro de Jó. Só isso. Quantas vezes Satanás pediu autorização a Deus para poder tocá-lo? Isso o faz o "autor" do mal?

    Com todo amor e carinho em Cristo: Sua relação com Deus precisa ser revista, pois vejo que você costuma defender pontos de vista estranhos à quem tem uma relação íntima com Jesus.

    Não me leve a mal, falo como teu irmão ok?

    Não adianta eu olhar para uma borboleta e crer pessoalmente que ela é um tubarão. Ela é o que é, assim como nosso Deus é o GRANDE EU SOU. Minha opinião pessoal sobre quem ELE É + R$ 2,40 me dão direito a pegar um ônibus aqui no Rio de Janeiro... e só.

    Creio que a grande dificuldade para muitas pessoas é a de tentar colocar Deus dentro de uma caixinha quadrada, onde somos capazes de delimitar cada lado de sua personalidade.

    Este - definitivamente - não é meu Deus...

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Claudio, meu querido...

    Ontem li seu comentário e ele me tocou muito. Senti vontade de "usá-lo" como base para uma reflexão... você me permite??????????

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  6. Dú,

    Outro ponto que tomo a liberdade de discordar é o de quando você diz:

    "Eu não entro em crise com a pergunta porque para mim Deus não tem nenhuma responsabilidade pelo mal no mundo, o ÚNICO CULPADO somos nós mesmos."

    Onde ficam as contigências da vida neste contexto? Que culpa há para uma pessoa que sai de casa, toma o caminho "A" invés do "B" e cai uma bigorna na cabeça dele?

    Quanto aos que decidem tirar férias para uma ilha remota ao invés de ir para as montanhas e é atingido por um tsunami? Existem coisas que simplesmente acontecem, e não são frutos da "culpa" das vítimas.

    O sol nasce sobre justos e injustos, as coisas acontecem por que acontecem.

    Não serviria a um Deus sobre o alicerce do AMOR que fosse um constante "paparicador" e protetor de seus filhos, saca?

    Onde caberia a opção de "não amá-lo", caso tudo o que eu precisasse estivesse à altura de um estalar de dedos?

    Não servi-lo e/ou não amá-lo seria a opção mais estúpida que qualquer ser humano cometeria.

    A meu ver, somos espetáculo para anjos e demônios exatamente por isso: Como pode criaturas tão toscas como nós amarmos um Deus invisível por quem Ele é, e não pelo o que Ele pode fazer?

    Saca onde quero chegar?

    ResponderExcluir
  7. Escrevi um pouco mais sobre este meu ponto de vista em 2009. Dá uma olhada no texto: http://superjotablog.blogspot.com/2009/07/deus-e-amor-uhuuuuuuuuuuu.html

    Forte abraço!!

    ResponderExcluir
  8. Amigo João, quando eu disse que a pergunta é inútil eu não expliquei direito. Creio ser inútil quando colocamos Deus na pergunta pois para mim, o mal é algo intrinsicamente humano e Deus não tem nada a ver com ele, nem sendo o seu autor(como quis Isaías) nem o permitindo (como quis o autor de Jó).

    Você cita o livro de Jó. Vamos partir do princípio que aquilo tudo ali foi literal(coisa que eu não acredito. Satanás dando passeio no céu e fazendo apostas com Deus? por favor, amigo, é demais para mim. Logo, leio o livro de Jó como um texto profundamente filosófico onde de fato o autor quer discutir por que o justo sofre e a historinha da aposta é só para introduzir a questão de fato, importante) putz, esse parêntesses ficou enorme...rsssssss

    Sobre o que você me aconselha, rever minha posição com Deus foi exatamente isso que eu fiz quando era um crente ortodoxo.

    Meu querido, não compare Deus com uma borboleta. Borboleta todos nós vemos e podemos chegar a uma unanimidade sobre o que ela é. Já Deus, ou o Grande eu Sou é apenas a visão do povo do Livro sobre Deus que você crer ser o verdadeiro. O mulçumano, o hindu, o budista, etc também possuem suas verdades sobre Deus.

    Não estou dizendo que a sua verdade sobre Deus é mentira, estou dizendo que a sua verdade sobre Deus é verdade para você e para quem crê igual a você.

    sua frase

    "Ela é o que é, assim como nosso Deus é o GRANDE EU SOU. Minha opinião pessoal sobre quem ELE É + R$ 2,40 me dão direito a pegar um ônibus aqui no Rio de Janeiro... e só."

    é em si mesma paradoxal. ao mesmo tempo que você diz que a sua opinião sobre Deus não vale quase nada, você afirma que ele é o Grande Eu Sou. Eu não prefiro não afirmar nada sobre ele.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Duduzinho, meu brother...

    Adoro estes debates de idéias!!!

    Acho que você não entendeu o que eu quis dizer.

    PRIMEIRO: Infelizmente o alicerce de nossa discussão, que para mim é a revelação de Deus exposta nas páginas da Bíblia, o Verbo que se fez carne, não tem a mesma influência sobre sua vida. Mais uma vez você a trata como um livro de contos da carochinha.

    Fica "difícil" argumentar com alguém "quase crente" ou, como você diz, um "ex-ortodoxo" saca? Não tô te zoando não, é sério! Não sei a dificuldade que você encontra em ler os textos da Bíblia, como o Livro de Jó, e não "conseguir" ao menos "entender" que existe sim um mundo espiritual, onde as coisas realmente acontecem... Conta pra mim, o que rolou para você ter se "decepcionado" tanto assim?

    SEGUNDO: Não "comparei Deus com uma borboleta". Eu disse que não adianta nada eu ver uma borboleta e pessoalmente crer que ela é um tubarão. Minha posição em relação a ela não muda quem ela é. Foi isso que eu disse.

    TERCEIRO: Quando disse "minha opinião + R$ 2,40" não é no sentido de MINHA OPINIÃO, o que para você fez entender que era algo auto-excludente. É no sentido de NÃO IMPORTA MINHA OPINIÃO, A SUA OU A DE NINGUÉM! DEUS NÃO VAI DEIXAR DE SER QUEM ELE É POR EU CONCORDAR OU DISCORDAR DELE, POR EU AMAR OU DEIXAR DE AMÁ-LO, POR EU O SEGUIR OU DEIXAR DE SEGUI-LO. (não tô gritando não, é só para ficar mais destacado blz?)

    Como diz Mt.24:35, "Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão"...

    To be continued...

    Abraço!!!!

    ResponderExcluir
  10. Meu querido, se você lesse meus comentários e textos você veria que eu nunca disse que a bíblia é um livro de conto de carochinhas. Aliás, já tive calorosos debates no site da confraria com amigos "novos ateus"(ex-crentes que se decepcionaram com o evangelho e simplesmente relegaram Deus a uma ilusão e a bíblia a um livro de estorinhas infantis).

    De fato é difícil debater comigo pois a sua base de fé não é a minha. Quanto a isso acho que não podemos fazer nada...rssss

    A minha debandada da fé ortodoxa não foi decepção. Continuo sendo uma pessoa que tem uma espiritualidade muito forte(aliás, sou sempre criticado pelos meus amigos novos ateus por isso), acontece que a fé cristã ortodoxa não me seduz mais. O homem Jesus continua me seduzindo mas toda a teologia que construíram em volta dele nos séculos subsequentes eu reputo agora a blá blá blá.

    Meu amigo, só um louco diria que uma borboleta é um elefante...sacou? rsss Agora, dizer que Deus é assim e assim e age assim e assim é algo profundamente subjetivo pois é matéria de crença. O Deus que você vê pode não ser o que eu vejo. Daí nascem todos os hereges. O herege é sempre o outro.(não estou dizendo que você me chamou de herege. Chamou? ou pensou em chamar??? rss)

    quanto a sua explicação:

    "É no sentido de NÃO IMPORTA MINHA OPINIÃO, A SUA OU A DE NINGUÉM! DEUS NÃO VAI DEIXAR DE SER QUEM ELE É POR EU CONCORDAR OU DISCORDAR DELE, POR EU AMAR OU DEIXAR DE AMÁ-LO, POR EU O SEGUIR OU DEIXAR DE SEGUI-LO"

    Você diz que Deus não vai deixar de ser quem ele é mas você acredita que ele é conforme você crê que ele seja segundo a Bíblia. Ou não? Mas o fato é que até na Bíblia Deus tem várias "caras" de acordo com a época dos escritos. Nada mais normal.

    Agora mesmo estou tendo um debate muito interessante com um desses novos ateus lá no blog da Confraria sobre a existência histórica de Jesus.

    No meio deles, eu sou considerado quase um ortodoxo por defender que Jesus não foi um mito!!!! kkkkkkkkkkkkkkkk vai entender...

    abraços

    se quiser conferir(será uma honra)

    http://www.cpfg.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. So Deus. Tem a resposta para tudo. Isso

    ResponderExcluir